Para muita gente é algo inato e flui de uma forma muito natural, mas para alguns a fórmula consiste em fazer algum trabalho de casa.

Se não nasceu com o dom da criatividade não é preciso esmorecer e nem pense que os artistas, escritores, publicitários ou outros têm ‘rasgos’ que nunca mais acabam e são um poço infindável de ideias. Para estes há todo um trabalho de pesquisa que inclui conversas, entrevistas, leituras, etc… que permitem a entrada da inspiração e, por conseguinte, ser capaz de criar conexões incomuns. Saiba como pode abrir um pouco mais os seus horizontes e ser um pouco mais criativo.

Brincadeiras

Com a rotina do dia a dia, muitas vezes acelerada, não sobra (ou não se deixa) tempo para conviver e estar na brincadeira, vulgarmente falando… na palhaçada. O ideal é que não dispense alguns minutos do seu dia para o fazer: no trabalho aproveite as pausas do café e em casa com o seu parceiro e/ ou filhos para rir, contar piadas e trocar opiniões. Deixe que as ideias, por muito estranhas ou tontas que sejam, fluam de forma natural sem julgamentos. A espontaneidade e o brainstorming é o que dá origem a ideias revolucionárias e brilhantes.

Atividade artística

Desde pintar, desenhar, escrever, ler, etc… o que é importante é que desenvolva a sua sensibilidade através da arte, uma vez que as partes do cérebro relacionadas com o processo criativo são estimuladas. Tenha o seu próprio espaço e cerque-se do que gosta sem ser só o seu computador.

“Caixa” de lembretes

Porque não andar com um pequeno bloco de notas atrás? Este vai servir para registar alguma ideia que tenha, uma situação caricata ou inusitada do dia a dia, uma música que ouviu, frases de um filme, conversas, a informação acerca de algum assunto interessante que pode pesquisar depois, etc… O registo pode servir para que mais tarde, quando tiver que elaborar algum projeto, possa inspirar-se ou não deixar passar em branco alguma boa ideia que teve, por exemplo.

Sair da rotina

Provavelmente fala da rotina da semana, mas ao fim de semana faz o mesmo que fez no passado. Tente fazer algo diferente: passar os dias fora, tomar o pequeno almoço fora e ir a uma exposição, fazer um almoço diferente, etc… determine fazer algo diferente dentro das suas possibilidades e limitações.

Pesquisar

Há livros à disposição acerca do assunto, mas pode ir um pouco mais além. Leia biografias de “ídolos” seus e descubra de onde veio ou vem a inspiração deles.

Não ser original

O grande problema, por vezes, é a pessoa achar que tem de criar algum novo, de raiz. Ora bem, aqui o bloqueio pode ser enorme. Não fuja das influências que tem e dos gostos que tem. Crie algo, mas que tenha a ver consigo. Mais do que não ser original é que não seja comum e seja capaz de se diferenciar dos outros.

Mente aberta

Para além de poder albergar e compreender uma série de temas abrindo assim o seu léxico mental, evitando por outro lado o preconceito e ideias pré-concebidas, permite-lhe viver uma vida mais interessante, excitante e equilibrada. Na senda, vai ser uma pessoa bem mais curiosa e rechear a sua vida de perguntas. Adivinhe de onde vem a criatividade?

 

29.12.2016
Fonte: http://lifestyle.sapo.pt